Domine a análise SWOT e desbloqueie o seu potencial

2.03.2024 | Artigos | 0 comments

A análise SWOT é uma ferramenta poderosa que pode guiar o seu desenvolvimento pessoal e profissional de forma eficaz. Foi desenvolvida, inicialmente, por Albert Humphrey, na década de 1960, como parte de um projeto de investigação, que pretendia identificar as razões pelas quais as estratégias organizacionais falhavam. No entanto, acabou por ser amplamente adotada como uma técnica de planeamento estratégico em diversos contextos, incluindo negócios, gestão de projetos e desenvolvimento pessoal. É neste sentido que venho ensiná-lo a usar esta ferramenta na gestão da sua carreira em Turismo, de modo a desbloquear o seu potencial máximo.

Na análise SWOT, aplicada a uma pessoa, enquanto profissional, são identificados fatores internos e externos que influenciam esse profissional. Os fatores internos referem-se às características, recursos e condições que a pessoa controla, ou seja, as forças (strengths) e fraquezas (weaknesses). As forças são os pontos fortes da pessoa, o que inclui recursos tangíveis como competências, conhecimentos, recursos financeiros, tecnologia, reputação, entre outros. Já as fraquezas, são as áreas a melhorar ou desafios internos, tais como falta de recursos, competências ou conhecimentos específicos, falta de experiência, entre outros. Quanto aos fatores externos, são influências vindas do ambiente externo à pessoa, nomeadamente, as oportunidades (opportunities) e as ameaças (threats). As oportunidades são as condições externas favoráveis e que podem ser exploradas para benefício da pessoa, como sejam as tendências de mercado, a procura do consumidor, os avanços tecnológicos, entre outros. As ameaças são consideradas as condições externas que representam desafios ou riscos potenciais para a pessoa, como, por exemplo, dificuldades económicas, instabilidade familiar, avanço tecnológico dos concorrentes, entre outros.

Identificar e analisar estes fatores internos e externos é essencial para desenvolver estratégias eficazes de gestão, aproveitando as oportunidades disponíveis e enfrentando os desafios existentes. Mas como fazer isso? É fácil, siga estes pontos que indico de seguida, divididos em três fases:

Fase I

  1. Aponte as suas forças, por tópicos, em palavras ou frases-chave.

As forças são as suas competências, talentos e habilidades. São qualidades intrínsecas ou desenvolvidas no decorrer da vida. Elas representam a totalidades das forças que o podem ajudar a construir resultados e facilitam o progresso técnico, emocional e comportamental no trabalho. Se for mais simples, faça-se perguntas como:

  • Quais são as minhas maiores qualidades?
  • Quais são os meus talentos?
  • Quais são os valores éticos que orientam a minha vida?
  • O que me destaca das demais pessoas?
  • Como é que eu uso os meus talentos para me destacar das demais pessoas?
  • O que me torna único?

2. Aponte as suas fraquezas, por tópicos, em palavras ou frases-chave.

As fraquezas representam tudo aquilo que é seu e que limita o seu crescimento, que interfere e bloqueia o seu potencial. São pontos de melhoria, que, se bem analisados e aprimorados, irão gerar grandes resultados. Pergunte-se:

  • Quais são as minhas atitudes que prejudicam o meu crescimento profissional?
  • Como é que os meus pensamentos sabotam o meu crescimento e o meu sucesso?
  • Quais são as minhas ações que me impedem de ser mais feliz e realizado?
  • O que me faz sentir desconfortável em relação a mim mesmo?
  • O que me desmotiva a lutar pelos meus sonhos e metas?

3. Aponte as suas oportunidades, por tópicos, em palavras ou frases-chave.

Identifique as possibilidades de mudança e crescimento em fatos que fogem ao seu controlo. Fatores que não dependem só de si, mas também de escolhas de outras pessoas ou mudanças sociais, políticas e económicas. Por exemplo:

  • Mercado de trabalho dinâmico;
  • Economia estável;
  • Bom networking;
  • Reservas financeiras;
  • Aumento de vagas;
  • Abertura de programas de bolsas de estudo.

4. Aponte as suas ameaças, por tópicos, em palavras ou frases-chave.

São os fatores que fogem ao seu controlo. Por exemplo:

  • Elevada concorrência profissional;
  • Falta de domínio da tecnologia;
  • Indisponibilidade para viagens;
  • Impossibilidade de mudança de domicílio;
  • Escassez de vagas.

Nota: quando iniciar este trabalho, “despeje” tudo o que lhe vier à mente, faça alguma pesquisa se necessário, mas garanta que é um trabalho só seu, de autorreflexão; para já, não vamos pedir opinião a terceiros. Se, ao longo dos dias, se for lembrando de mais coisas para algum tópico, vá acrescentando. Não force demasiado a mente para obter as respostas; se não fluir, largue, vá fazer outras coisas e volte mais tarde. É um trabalho que se pode prolongar no tempo. Lembre-se que não há respostas erradas. Está sempre tudo certo.

Fase II

No final de construir a matriz, apure conclusões da seguinte forma (aqui já pode forçar mais a análise e a reflexão, mas pode sempre voltar e complementar mais tarde):

  1. Correlacione as forças com as oportunidades e “brinque” um pouco com as opções. No fundo, quais são os seus pontos fortes que podem ser usados para maximizar as oportunidades identificadas?
  2. Correlacione as forças com as ameaças e “brinque” um pouco com as opções. No fundo, quais são os seus pontos fortes que podem ajudar a minimizar o impacto das ameaças externas?
  3. Correlacione as fraquezas com as oportunidades e “brinque” um pouco com as opções. No fundo, quais as ações que pode realizar para minimizar as fraquezas através das oportunidades levantadas?
  4. Correlacione as fraquezas com as ameaças e “brinque” um pouco com as opções. Aqui terá que detetar ações que irão diminuir ou eliminar as fraquezas e minimizar o efeito das ameaças.

Fase III

Com uma compreensão clara das suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, está pronto para construir um plano de ação sólido. Utilize esta informação para definir metas realistas e alcançáveis, identificar áreas prioritárias para o seu desenvolvimento e explorar oportunidades de crescimento. Lembre-se de que o processo de autoconhecimento e desenvolvimento é contínuo. Revisite regularmente a sua análise SWOT pessoal e ajuste o seu plano de acordo com as mudanças nas suas circunstâncias e objetivos.

Em suma, ao aplicar a análise SWOT ao nível pessoal, está a investir no seu próprio crescimento, desenvolvimento e sucesso. Ao compreender as suas próprias forças e fraquezas, identificar oportunidades e antecipar ameaças, estará mais bem preparado para alcançar os seus objetivos e enfrentar os desafios que encontrar no seu caminho. Então, comece hoje mesmo a aplicar esta poderosa ferramenta e desbloqueie o seu potencial máximo!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Chorar é para os fortes

Chorar é para os fortes

Infelizmente, muito infelizmente, a sociedade atual mascara-se de forte e inabalável. Muitos de nós fomos criados com...

Artigos Relacionados

Chorar é para os fortes

Chorar é para os fortes

Infelizmente, muito infelizmente, a sociedade atual mascara-se de forte e inabalável. Muitos de nós fomos criados com a ideia de que chorar é sinal de fraqueza, especialmente para os homens, que foram ensinados a reprimir as suas emoções desde...

Continue Reading

Não pode copiar este conteúdo.

Pin It on Pinterest