É tudo uma questão de gestão, senhores, gestão!

7.02.2022 | Artigos | 0 comments

Uma das maiores queixas que ouço por parte dos meus alunos é que têm sempre muitas atividades para realizar. Especialmente nos finais de semestre, a situação torna-se caótica. Nas reuniões de professores, estes queixam-se do mesmo: os alunos estão cansados, desmotivados, não aparecem às aulas, o seu rendimento é baixo e parecem sempre muito menos empenhados do que deveriam. Bom, esta é uma discussão que poderia levar-nos para vários caminhos. Claro que aqui todas as partes deveriam pensar em estratégias que levassem à mudança desta situação (e até pensam e atuam), mas esse não é o meu ponto de hoje.

Há dias pedi que me comentassem, num teste de avaliação, a seguinte frase: “a gestão está em todas as coisas”. Ninguém compreendeu, mesmo depois de passar um semestre a explicar a importância da gestão. Por que é que isto aconteceu? Para mim é muito claro e discuti a questão, posteriormente, com eles: estamos tão focados nos estereótipos das teorias que nem conseguimos aplicar o básico ao dia-a-dia. Esta é uma pergunta que pede uma resposta prática. E essa é outra questão que não percebem. Para a maioria das pessoas, a prática é fazer com as mãos. Não é só. Quanto à gestão, para eles gestão é de empresas. Ponto.

Se há coisa que me esforço sempre por transmitir é que a faculdade não serve para ensinar uma profissão. Quem acha que lá vai aprender isso desengane-se de uma vez por todas. Claro que há uma temática a ser abordada e, tanto quanto possível, são transmitidas as bases da profissão que escolheram, mas ser aluno universitário é muito mais do que ser um aprendiz de uma profissão. É superar-se a todo o momento. Bem sei que a maioria que nunca lá pôs os pés acha que as gerações mais novas estão perdidas, estão só ali a gastar o dinheiro dos pais e do estado e passam a vida em festas e bebedeiras. É mentira. Afirmo-o, com toda a propriedade, como professora e (eterna) estudante. Se não os há assim? Claro. Assim como em qualquer profissão existem melhores e piores profissionais. Assim como no mundo existem melhores e piores seres humanos! 

Então, o exercício é esse mesmo: aprender a fazer escolhas, aprender a gerir o tempo, aprender a gerir as emoções, aprender a gerir um percurso de carreira, aprender a gerir o stress, aprender a adaptar-se a todo o momento, aprender a trabalhar em equipa, aprender a gerir a solidão, aprender a ser resiliente, forte e determinado, aprender a traçar objetivos e perceber o que funciona melhor para os atingir, aprender a lidar com as frustrações, aprender a ganhar método, disciplina e rigor, etc, etc, etc…

Por isso não, não é só sobre aprender as teorias e as práticas de uma profissão. É, sobretudo, sobre adquirir competências que lhes permitam “sobreviver” na selva que é o mundo do trabalho e da vida real adulta. É sobre crescer, amadurecer e subir o degrau. É a diferença entre sair vencedor ou perdedor naquele objetivo a que se propôs.

Mas qual o problema em gerir afinal? É que para gerir é preciso, primeiro que tudo, ganhar consciência. A maior parte das pessoas não vive. Só existe. Paira no ar. Exerce uma sucessão de movimentos contínuos e mecanizados dia após dia, após dia, após dia. Sem nunca se perguntar porque faz o que faz, se poderia fazer de outra forma, se existe um caminho mais rápido, mais eficiente e mais eficaz de fazer o mesmo, se  há alguma forma de aliviar o seu fardo, se há tarefas que poderia delegar, se há ferramentas que o poderiam ajudar a chegar mais rápido aos mesmos resultados, se há algo de que pudessem abdicar em prol de uma vida mais simples, se há algum benefício em ter uma vida miserável, em estar sempre esgotado e infeliz… Não pensam! 

Como gerir, então? Gerir é planear, organizar, controlar e dirigir.

Primeiro que tudo: páre! Respire fundo. Olhe para si, para a sua vida, para o que quer ser, ter e fazer. Por favor, não olhe para a “vida perfeita” e desista antes mesmo de começar! Comece devagar e com uma coisa simples, vá evoluindo e adicionando mais áreas da vida, até abranger todas elas. A dado momento, quando menos se aperceber, simplesmente aconteceu: já aplica a gestão a todas as coisas.

Deixo um exemplo prático para se guiar, mas não é limitativo nem exclusivo. Não é a única nem a melhor forma de fazer, é apenas um exemplo:

1. Estou sempre sem dinheiro

2. O que posso fazer para ter mais dinheiro?

3. Vou fazer uma lista das coisas que poderia fazer para ter mais dinheiro

4. Vou trabalhar esta lista de modo a ser o mais objetivo e realista possível, ou seja, eliminar projetos idealistas, que extrapolam os meus limites (não os que imponho a mim próprio, mas os que são mesmo praticamente impossíveis, tais como, “estalar os dedos e ficar milionário”) ou que não estão sob o meu controlo

5. Desta lista vou perceber e escrever quais as ações que tenho que exercer para concretizar cada uma destas coisas

6. Vou olhar para esta lista e definir o que podem ser objetivos de curto, de médio e de longo prazo e atribuir datas de concretização a cada uma destas coisas; para saber melhor como definir objetivos de sucesso, descarregue este ebook e analise, concretamente, as páginas 61 e 62

7. Vou entrar em ação e começar agora

8. Vou ser focado, consistente e metódico nas minhas ações de modo a atingir os meus objetivos

9. Vou perceber que gerir é um processo e, se falhar, posso sempre recomeçar e recomeço, nem que para isso tenha que pedir ajuda e peço

10. Vou partilhar informação, aprender com outras pessoas e ensinar quem queira aprender

Boa caminhada na gestão da sua vida!

Qualquer dúvida, questão ou sugestão que precise, aqui estou!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Chorar é para os fortes

Chorar é para os fortes

Infelizmente, muito infelizmente, a sociedade atual mascara-se de forte e inabalável. Muitos de nós fomos criados com...

Artigos Relacionados

Não pode copiar este conteúdo.

Pin It on Pinterest