Ética e Turismo

17.02.2021 | Artigos | 0 comments

O Turismo é uma atividade feita de Pessoas que trabalham com Pessoas, para Pessoas. Então, acarreta muitas complexidades do ponto de vista social e não só.  

Foi nos anos 90 que a ética começou a assumir particular relevância para o Turismo, com dois grandes debates sobre a matéria:

  • O Congresso AIEST (International Association of Scientific Experts in Tourism), em Paris, em 1992: sugeriu a criação de uma comissão de resolução dos problemas da ética no turismo;
  • O Rio Earth Summit, em 1992: incentivar o seguimento de boas práticas ambientais, defendendo os princípios da Agenda 21.

Em outubro de 1999, a Assembleia Geral da Organização Mundial de Turismo (OMT) criou o Código Mundial de Ética do Turismo, sendo este reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Posteriormente, foi adotado a nível internacional.

Trata-se, no fundo, de um quadro de referência para o desenvolvimento responsável e sustentável do Turismo mundial. Tem o objetivo de envolver todos os stakeholders da indústria turística e incentivá-los a promover um turismo responsável com benefícios para o indivíduo e para a sociedade. Mas vai além disso, já que se destina a absolutamente todos os intervenientes: governos, indústria de viagens, comunidades e turistas.

O Código Mundial de Ética do Turismo apoia-se em alguns documentos-base, tais como:

  • a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948);
  • a Convenção para o Património Mundial, Cultural e Natural (1972);
  • o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (1976);
  • a Declaração de Manila sobre o Turismo Mundial (1980);
  • a Carta do Turismo e Código do Turista (1985);
  • a Convenção sobre os Direitos da Criança (1989);
  • a Declaração de Seul para a Paz no Contexto do Turismo (2000).

Os 10 Princípios do Código Mundial de Ética do Turismo são:

  1. Contribuição do Turismo para a compreensão e respeito mútuo entre homens e sociedades;
  2. O Turismo, vetor de desenvolvimento individual e coletivo;
  3. O Turismo, fator de desenvolvimento sustentável;
  4. O Turismo, utilizador do património cultural da humanidade e contribuindo para o seu enriquecimento;
  5. O Turismo, atividade benéfica para os países e comunidades de acolhimento;
  6. Obrigações dos atores do desenvolvimento turístico;
  7. Direito ao Turismo;
  8. Liberdade das deslocações turísticas;
  9. Direito dos trabalhadores e dos empresários da indústria turística;
  10. Aplicação dos princípios do Código Mundial de Ética do Turismo.  

Se quiser consultar o documento na íntegra e analisar com mais detalhe cada um dos seus princípios, basta descarregá-lo abaixo.

E você, tinha a noção das questões éticas que têm vindo a nortear a atividade turística?

Conte-me tudo, vou gostar de saber!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Conhecendo a APECATE

Conhecendo a APECATE

A APECATE é uma associação que surge nos anos 2000 para representar as empresas de animação turística e eventos de...

Sabia que…

Sabia que…

A caldeirada de peixe se baseia num cozido? Não assenta num refogado, portanto. Leva diversas variedades de peixe,...

Sabia que…

Sabia que…

O Turismo de saúde e bem-estar é um dos produtos turísticos mais complexos que existem? Abrange vários subprodutos:...

Sabia que…

Sabia que…

Em Portugal, o osso da baleia é usado para artesanato? A pesca à baleia foi muito praticada entre os séculos XVIII e...

Artigos Relacionados

Desmistificando os motéis

Desmistificando os motéis

Os motéis são um meio de alojamento que surgiu no início do século XX nos Estados Unidos. O objetivo da sua criação foi corresponder a uma necessidade de acomodação por parte dos camionistas que conduziam muitas horas, precisavam de algum conforto...

Continue Reading
Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

A maior parte das pessoas pensa que o contrário do amor é o ódio. Mas não é. Há algo muito pior, que tem a capacidade de destroçar até o mais forte dos corações. Há tempos descobri o que era “dar o ghost” (nem sei se é bem assim que se diz!)....

Continue Reading

Pin It on Pinterest