Nomadismo digital e turismo, que relação?

15.01.2019 | Artigos | 0 comments

Só há muito pouco tempo entrei em contacto com o termo “nomadismo digital”. Aconteceu nas minhas pesquisas aqui pelo Linkedin, enquanto buscava histórias inspiradoras e dicas para escrever.

Surgiram os textos da Laís Schulz (que é fantástica) e, inevitavelmente, acabei por encontrar também o perfil do Matheus de Souza (que, para quem não sabe, é o marido da Laís). No espaço dedicado à profissão, o Matheus tem a seguinte designação: “nômade digital que escreve, empreende e ensina”.

Whaaat? O que raio quereria isto dizer?

Claro que fui logo perguntar ao Sr. Google e ele explicou-me que nomadismo digital é, basicamente, o nome dado ao estilo de vida de quem viaja pelo mundo enquanto, em paralelo, trabalha, remotamente, de qualquer parte do planeta.

Não é fantástico?

Como profissional de turismo, questionei-me logo como se poderia enquadrar este estilo de vida no setor e qual a relação entre as duas atividades. Poderão os nómadas digitais ser considerados turistas?

É uma questão mais complexa do que parece e, para chegarmos a uma conclusão, teremos que analisar as definições de:

  • Turista: pessoa que se desloca para um destino diferente da sua residência habitual por motivos de lazer, negócios ou outros, por um período superior a 24h e inferior a um ano consecutivo;
  • Excursionista: visitante temporário que permanece menos de 24h no local visitado;
  • Visitante: toda a pessoa que se desloca a um local, diferente daquele onde tem a sua residência habitual, desde que não exerça qualquer atividade remunerada no destino;
  • Nómada digital: pessoa que adota um estilo de vida de deslocação constante, entre países ou regiõesdesenvolvendo a sua atividade profissional em simultâneo, independentemente da sua localização física.

Assim, embora tenha analisado pontos de vista diferentes enquanto pesquisei para escrever acerca deste assunto, a minha análise técnica é a seguinte:

tendo em consideração que a Laís e o Matheus têm a sua residência fiscal no Brasil, enquanto trabalham são considerados turistas

se

permanecerem num local mais do que 24h

e se

a remuneração pelos trabalhos desempenhados não se fizer no local de visita.

Posto isto, é uma resposta sujeita a interpretações e variáveis diversas, contudo, grosso modo, considero que o nómada digital é, em simultâneo, um turista.

Estando o nomadismo digital a ganhar cada vez mais adeptos, arrisco afirmar que constitui já uma fatia considerável dos turistas mundiais. Mais do que uma forma de estar, o nomadismo digital é uma tendência e, até, um nicho de mercado com muito potencial e ao qual os profissionais do turismo devem estar atentos. Jamais poderão ser enquadrados no grupo M.I.C.E (Meetings – Encontros; Incentives – Incentivos; Conferences – Conferências e Exhibitions – Feiras) por terem características e necessidades muito diferentes e mais específicas.

E você, já conhecia o nomadismo digital? O que achou deste conceito?

Conte-me tudo, vou gostar de saber!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Conhecendo a APECATE

Conhecendo a APECATE

A APECATE é uma associação que surge nos anos 2000 para representar as empresas de animação turística e eventos de...

Sabia que…

Sabia que…

A caldeirada de peixe se baseia num cozido? Não assenta num refogado, portanto. Leva diversas variedades de peixe,...

Sabia que…

Sabia que…

O Turismo de saúde e bem-estar é um dos produtos turísticos mais complexos que existem? Abrange vários subprodutos:...

Sabia que…

Sabia que…

Em Portugal, o osso da baleia é usado para artesanato? A pesca à baleia foi muito praticada entre os séculos XVIII e...

Artigos Relacionados

Desmistificando os motéis

Desmistificando os motéis

Os motéis são um meio de alojamento que surgiu no início do século XX nos Estados Unidos. O objetivo da sua criação foi corresponder a uma necessidade de acomodação por parte dos camionistas que conduziam muitas horas, precisavam de algum conforto...

Continue Reading
Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

A maior parte das pessoas pensa que o contrário do amor é o ódio. Mas não é. Há algo muito pior, que tem a capacidade de destroçar até o mais forte dos corações. Há tempos descobri o que era “dar o ghost” (nem sei se é bem assim que se diz!)....

Continue Reading

Pin It on Pinterest