O Rocky Balboa existe mesmo?

10.03.2020 | Artigos | 0 comments

Quando estava a fazer a seleção de biografias em filme para escrever o artigo “Filmes biográficos: Pessoas fortes, histórias inspiradoras”, ocorreu-me sugerir os filmes do Sylvester Stallone, “Rocky”. Tive que me recordar que Rocky é só um personagem fictício! Mas esta não foi a primeira vez que isto me aconteceu.

Nascida nos anos 80, cresci com os filmes do Stallone, que sabia ser um bom ator, um ícone de Hollywood e também um bom ser humano. Tudo se intensificou quando tropecei, num belo dia, num vídeo que conta a verdadeira história de Rocky, que se mistura naturalmente com a do seu criador.

Stallone inspirou-se numa luta entre Muhammad Ali e Chuck Wepner, escreveu uma história de superação e acreditou em si. Acreditou tanto que, quando lhe disseram não, ele persistiu; quando lhe quiseram impor condições, ele não permitiu; quando o subvalorizaram, ele mostrou como se fazia. Foi lá, interpretou Rocky e transformou-o num sucesso. E só ele o poderia fazer. Só ele conseguiria este resultado. Fê-lo uma e outra vez. Fê-lo de novo e fê-lo muitas vezes. Fê-lo tantas vezes, tão brilhantemente e de forma tão genuína, que hoje tenho que pensar duas vezes se esta personagem é ou não real. Queria que fosse real, ele é tão magnífico! Rocky tem que existir!

Penso que é do senso comum que, como Sylvester Stallone previu, se este papel tivesse sido entregue a um outro ator qualquer, o produto final nunca teria tido o impacto e o sucesso que teve. Isso só aconteceu porque foi Stallone que escreveu o guião, construiu o personagem e viveu todas as dificuldades de Rocky na pele, embora de formas diferentes, e atuou brilhantemente. Também ele veio “do nada”, lutou muito para alcançar o respeito e a admiração dos outros, mas, acima de tudo, a sua dignidade e conseguiu vingar a fazer aquilo de que mais gostava.

Esta é, portanto, uma história inspiradora, de superação, garra, determinação, empenho, que nos ensina que trabalhar duro, acreditarmos em nós próprios, insistirmos e prosseguirmos, traz retorno e permite alcançar verdadeiras conquistas. Que não nos esqueçamos disso e, se dúvidas persistirem, é simples, basta fazer uma maratona de Rocky e inspirarmo-nos nesta magnífica narrativa, contada ao longo de mais de 40 anos, em que as dificuldades e a superação da vida do ator acompanham os desafios e as conquistas do personagem:

  • Rocky – 1976
  • Rocky II – 1979
  • Rocky III – 1982
  • Rocky IV – 1985
  • Rocky V – 1990
  • Rocky Balboa – 2006
  • Creed – 2015
  • Creed II – 2018

Para uma inspiração adicional, pode ainda ouvir a eternizada música “Eye of the Tiger”, da banda Rock Survivor, lançada em 1982, encomendada propositadamente para o filme Rocky III, e que é um sucesso até aos dias de hoje. Ninguém lhe fica indiferente e a ouve ou canta sem se lembrar de Rocky!

Por estes motivos e muitos mais, caro leitor, é difícil lembrar que Rocky é um personagem fictício. Ele foi completamente personificado: tem um rosto, uma história longa e interessante, amigos, família, conflitos, desafios constantes, mas, acima de tudo, reflete-se em cada um de nós. Em cada partida que a vida nos prega, em cada repto que se nos coloca, a cada conquista que alcançamos. É um ícone de força, coragem e humildade. Longa vida a Rocky Balboa!

E você, o que acha: será que Sylvester Stallone matou mesmo Rocky Balboa e ele nunca mais vai aparecer?

*****

Fonte da foto: https://bit.ly/2SojaAX

*****

Tem alguma dúvida, questão ou partilha? Entre em contacto comigo, terei o maior gosto!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Conhecendo a APECATE

Conhecendo a APECATE

A APECATE é uma associação que surge nos anos 2000 para representar as empresas de animação turística e eventos de...

Sabia que…

Sabia que…

A caldeirada de peixe se baseia num cozido? Não assenta num refogado, portanto. Leva diversas variedades de peixe,...

Sabia que…

Sabia que…

O Turismo de saúde e bem-estar é um dos produtos turísticos mais complexos que existem? Abrange vários subprodutos:...

Sabia que…

Sabia que…

Em Portugal, o osso da baleia é usado para artesanato? A pesca à baleia foi muito praticada entre os séculos XVIII e...

Artigos Relacionados

Desmistificando os motéis

Desmistificando os motéis

Os motéis são um meio de alojamento que surgiu no início do século XX nos Estados Unidos. O objetivo da sua criação foi corresponder a uma necessidade de acomodação por parte dos camionistas que conduziam muitas horas, precisavam de algum conforto...

Continue Reading
Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

A maior parte das pessoas pensa que o contrário do amor é o ódio. Mas não é. Há algo muito pior, que tem a capacidade de destroçar até o mais forte dos corações. Há tempos descobri o que era “dar o ghost” (nem sei se é bem assim que se diz!)....

Continue Reading

Pin It on Pinterest