Os 10 piores erros dos profissionais de Turismo na gestão da sua carreira

14.07.2021 | Artigos | 0 comments

O meu percurso como profissional de Turismo não tem sido fácil. Já passei por duas grandes crises – a do Subprime e a do Covid -19 -, entre muitos outros abalos que a área sofreu nestes anos. Também cresceu e se transformou muito, especialmente em Portugal.

Posto isto, só tenho duas opções:

  1. Ou vejo tudo o de negativo que o Turismo acarreta;
  2. Ou escolho ver a área bonita que é, com todas as suas possibilidades.

Eu escolho a opção número 2.

Sabe porquê? O Turismo não é só uma paixão, é o amor da minha vida!

Então, cada um terá que olhar para dentro e perceber o que o move. Se é o Turismo, venha comigo e comece a focar-se nestes 10 erros que tem vindo a cometer. Desconstrua-os. Enfrente-os. Arrase-os completamente e veja a magia acontecer! Ah, não se iluda, eu só os partilho consigo porque os trato por “tu”. Cometi-os a todos. Mas não desisti. Lutei. Pelo meu amor. Sempre! E hoje sou grata por isso. Tenho a possibilidade de partilhá-los consigo e alertá-lo para que não precise passar as “passinhas do Algarve” que eu passei! Então, vamos lá:

  1. Delegar a gestão da sua carreira

Não só vejo isto no dia-a-dia, com os meus mentorandos, com os meus alunos, com os meus colegas, como a própria investigação científica o comprova. Os profissionais de Turismo ainda não perceberam que cada um de nós tem a responsabilidade, o poder, a obrigação de gerir a sua carreira. Decidir o que quer, como quer, onde quer chegar. E fazer por isso! Nenhuma empresa, nenhum patrão, nenhum mercado de trabalho lhe deve absolutamente nada. Vá lá e faça! É da sua vida que estamos a falar. É da sua carreira que estamos a falar. Vai continuar a permitir que lhe digam qual a direção que deve seguir?

2. Limitar as suas opções

Trabalhar por conta de outrem ou empreender. Estas são as opções que crescemos a acreditar que teríamos na vida adulta. E a última nem é para todos, porque só “pessoas realmente importantes e iluminadas” conseguem isso! E depois queixa-se que não há oportunidades. A sério? Não, não e não! Por favor! Estamos no século XXI. Não posso aceitar esta mentalidade tacanha e hiper, mega limitadora. Há tantas possibilidades hoje em dia! Explore-as, estude-as, analise-as, pondere-as, teste-as e aplique-as. Encontrará, mais cedo ou mais tarde, um caminho alternativo que lhe faça sentido e que não o faça depender dos outros. Mexa-se!

3. Desacreditar do seu talento

Precisamos falar sobre esta palavra. Sim, as palavras são importantes, têm significado e relevância na nossa vida. Mas, sabe? Você pode dar-lhe um significado próprio. Aquele que quiser! Sim, pode! Onde é que está escrito que não? Então, vamos lá, crie a sua realidade, a sua própria verdade e viva-a. O que é o talento para si? É ou não uma pessoa talentosa? Claro que é, já conseguiu tanta coisa! Conseguiu sim. Pense lá bem em todos os desafios que a vida lhe trouxe e como os conseguiu ultrapassar. Como foi forte e corajoso. Como se desenvencilhou e não olhou para trás. Valorize todas as pequenas conquistas e encontrará um pequeno tesouro dentro de si. E… se não é mesmo um ser talentoso, o que lhe falta para ser? O que tem de fazer para lá chegar? Mãos à obra!

4. Para toda a solução tem um (ou vários) problemas

Quando estamos focados num caminho único, todas as alternativas nos parecem inalcançáveis. Então, o que o nosso cérebro faz é encontrar justificações para não tentar o novo. Não vou florear a coisa. Sabe o que é isto? Desculpas! Empodere-se, tome as rédeas da sua vida e faça acontecer! Veja as soluções, não os problemas, ora essa. E logo profissionais de Turismo, que são, no seu dia-a-dia, problem solvers! Vamos lá, aplique as suas competências profissionais à sua vida, à gestão da sua carreira e saia dessa “roda dos ratos”. Siga em frente. Suba os degraus!

5. Comparar-se

O maior veneno de todos os tempos é a comparação. Não me interprete mal. É muito importante termos alguém que admiremos, que possamos seguir as pegadas, em quem nos possamos inspirar. Mas, pare por aí. Estar constantemente a olhar para o que o outro tem e sentir-se triste por não o ter alcançado, é só o maior mal que pode fazer a si próprio. Uma dor autoinfligida, perfeitamente desnecessária. No mínimo, use essa dor para se automotivar e não para se diminuir, por favor! Todos nós, no mundo inteiro, somos seres únicos. A nossa história, a nossa educação, os nossos contextos, a nossa personalidade e uma série de outros fatores influenciam o nosso percurso e não há um igual ao outro. Portanto, faz sentido comparar-se? Foque-se em si e em ser a melhor versão de si próprio, a cada dia.

6. Optar sempre pelo caminho mais fácil

Escolhas fáceis levam a uma vida difícil. Escolhas difíceis levam a uma vida fácil e plena. E sobre isto, acho que não preciso dizer mais nada… Qual a sua escolha?

7. Seguir a manada

Você é um ser único. Pode fazer o que lhe der na real gana! Porque é que tem que seguir o caminho tradicional, que todos fazem, só porque pertencem a uma sociedade e agem por copiação? Você quer ser uma cópia? Vá lá, seja criativo, seja original! Desafie. Ouse. Faça mais. Ou faça menos. Faça diferente. Respeite-se. As suas vontades. As suas preferências. As suas escolhas. Os seus valores. O seu tempo. Sim, pode fazer isto tudo e muito mais. Quem lhe disse que não?

8. Querer receitas de bolo prontas

A maior parte das coisas da vida que são muito boas, precisam passar por processos. O que é que isso quer dizer? Que é preciso plantar para colher. Regar, conversar, mimar, observar e sentir. Aceitar que nem tudo vem quando queremos, mas quando tem que ser. Paciência. Calma. Ponderação são essenciais. Mas com ação, sempre. Pequenos passos. Grandes passos, por vezes. Erros. Conquistas. Reajustes. Aprendizagens. Uma carreira constrói-se, ao longo da vida. Não surge num estalar de dedos.

9. Fazer do Turismo o vilão

Sim, o Turismo é uma área com muitas fragilidades. Com problemas graves, muito reais, que existem, estão identificados, persistem e nunca mudam. Mas também é apaixonante, vibrante, possibilitadora, envolvente, fascinante, sedutora, arrebatadora. Todas as áreas de atuação têm, como tudo na vida, um lado luz e um lado sombra. Não faça do Turismo o vilão! Foque-se nas vantagens, nas qualidades, na emoção que lhe traz e busque pela melhor forma de ser feliz aqui. Se não a encontrar crie-a, ora bolas! Não ponha as culpas no Turismo. Seja a mudança que esta área precisa. Incentive outros a sê-lo. Juntos conseguimos!

10. Pensar, estudar, refletir e… procrastinar

O conhecimento, a estratégia, as competências de nada valem sem ação. Saia desse cantinho da sala onde se colocou sentado numa cadeira, amuado, de braços cruzados, cabeça baixa, beicinho e a balançar a perna, enquanto toca com o pé, ao de leve, na parede. Levante-se, enxugue as lágrimas e vá fazer acontecer. Aja. Reaja. Faça alguma coisa! O que de pior pode acontecer, diga lá? Se for muito difícil, peça ajuda. Mas não fique parado. Você não é uma árvore!

Qual o primeiro pequeno passo que vai dar, ainda hoje, para começar a gerir a sua carreira em Turismo?

Conte-me tudo, vou gostar de saber!

Partilhar é cuidar!

Cátia Rodrigues

Cátia Rodrigues

categorias

artigos mais recentes

Sabia que…

Sabia que…

A ilha da Madeira tem um pão próprio? Trata-se do Bolo do Caco. Apesar de ter “bolo” no nome, não é um alimento doce....

Sabia que…

Sabia que…

O Parque Natural Sintra-Cascais é um museu a céu aberto? Com uma área superior a 14 000 hectares, abrange os...

Sabia que…

Sabia que…

A rainha do Fundão é a cereja? A cereja do Fundão é um produto de Indicação Geográfica Protegida. A sua produção é...

Sabia que…

Sabia que…

As amendoeiras existem em Portugal devido a uma linda história de amor? Diz-se que nos tempos em que o Algarve era...

Sabia que…

Sabia que…

Em Portugal há quem esconda a comida numa gaveta? É sabido que o povo português é um dos mais acolhedores do mundo e...

Artigos Relacionados

Desmistificando os motéis

Desmistificando os motéis

Os motéis são um meio de alojamento que surgiu no início do século XX nos Estados Unidos. O objetivo da sua criação foi corresponder a uma necessidade de acomodação por parte dos camionistas que conduziam muitas horas, precisavam de algum conforto...

Continue Reading
Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

Acredite: o contrário do amor não é o ódio!

A maior parte das pessoas pensa que o contrário do amor é o ódio. Mas não é. Há algo muito pior, que tem a capacidade de destroçar até o mais forte dos corações. Há tempos descobri o que era “dar o ghost” (nem sei se é bem assim que se diz!)....

Continue Reading
You cannot copy content of this page